segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Concept Art da personagem Dre Amos em modo combate

Hey pessoal!

Uma das coisas que geralmente tenho dificuldade em perceber enquanto escrevo é como as personagens realmente ficam com as descrições que faço. 
O exemplo que vos mostro aqui é de concept art da personagem Dre Amos num momento da história em que tem de combater. Um dos meus colegas da EDP, Ivan Rego, tem-me ajudado a visualizar no papel o que está apenas em ideia.
O que acham? Gostam? Curiosos?

Até já!


sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

E em 2015...

...trabalho para que o projeto que vos mostrei fique escrito. 
Foi um ano (e uma longa fase) de dedicação à parte profissional da minha vida que me deixou pouco espaço mental para esta que me realiza pessoalmente.
Mas para 2015 esperam-me as ideias que quis desenvolver antes:
 - "Cemitério dos Sonhos" em BD;
 - conto infantil;
 - mini-série de ficção científica em BD;
Do "Cemitério dos Sonhos" conto já com 33 páginas escritas de 64 possíveis. Conto mostrar-vos mais rascunhos e pranchas em breve.
Os outros projetos vão nascendo mais lentamente. Nunca se sabe o que poderá surgir mais, mas se acontecer, serão os primeiros saber.
Este ano também espero (e estou a apoiar como posso) o nascer de um novo argumentista de BD, o André Morgado, um grande amigo meu. 
O projeto "A vida oculta de Fernando Pessoa" começa a dar que falar e tem um conceito arriscado, mas interessante. 
Acompanhem-no porque vale a pena.

Deixo-vos com algumas frases que recolhi sobre o "Cinzas da Revolta", livro que me abriu portas no mundo da BD:

"(...)Cinzas da Revolta, inegavelmente, indica e trilha um caminho que a BD nacional pode percorrer com originalidade, para exorcizar fantasmas e para chegar a leitores habitualmente avessos aos quadradinhos."

Pedro Cleto, As Leituras do Pedro

"Humilde, mas adultamente sabedor do que escreve, propõe-nos, de certo modo indignado, o avaliar do negativismo das guerras..."

Luiz Beira e Carlos Rico, Blogue da BD

"Tal como O Baile este é um livro de leitura obrigatória, por vários motivos diferentes, mas um idêntico. Tem como ponto de partida um tema complexo do passado menos brilhante de Portugal, a Guerra Colonial."

João Ramalho-Santos, Visão